domingo, 23 de abril de 2017

Picadeiro

Muito concorrida derivado ao comércio e às esplanadas dos seus bares e restaurantes, a rua Prince Arthur é uma bela rua de passagem. Um autêntico picadeiro a certas horas do dia. Só está aberta a pedestres, sendo situada no centro da cidade cruzando com o Boul. St-Laurant que é o principal desta cidade e por isso conhecida como "The Mainly".

Logo de manhãzinha já há pessoas nas esplanadas, podendo-se escolher um lugar ao sol ou à sombra. Em certas horas do dia é difícil furar.
Convivem restaurantes dos mais variados, mesmo os que não têm esplanadas.
Só que até parece que conhecemos este pelo nome.
Uma perspectiva de uma fonte que dá vida a esta rua, ainda antes dos restaurantes abrirem.
Os telefones da época, a condizerem.
Zona propícia para filmagens.
É nesta rua que fica o célebre obra mural "L’Euforie des Sages".

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Uma beleza

Que por vezes sai cara.
A doninha fedorenta é um lindo animal que se vê muito em Montreal.
Quando passeamos durante a noite devemos ter muito cuidado porque é quando se alimenta. Como é um animal muito curioso, adora explorar tudo à sua volta.
Gosta de se banquetear junto dos contentores do lixo mas mesmo que esteja escondida entre eles, é fácilmente detectada porque o seu cheiro nauseabundo é perceptível a uma grande distância. Não é esquesita pois tanto se alimenta de restos animais como vegetais. Com as suas longas garras, escava à procura de insectos e larvas. Um ovinho, é uma excelente sobremesa.
Quando se julga em perigo alerta batendo com uma das patas da frente de forma seca e sonora, iriçando o pêlo e levantando a cauda. Se não pararmos lança um líquido mal cheiroso à distância que se atinge uma pessoa é impossível de viver com esse cheiro. A única forma de o fazer passar é tomando um banho em sumo de tomate e a roupa vai para o lixo. Por isso as pessoas precavidas têm em casa duas latas de dois litros de sumo de tomate.

Desloca-se sorrateiramente e sem barulho.
Mas não passou sem nos dar uma olhadela. É mesmo linda.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Fachadas de Montreal

Uma das maravilhas de Montreal são as suas fachadas com as respectivas águas furtadas.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Arte índia em plena rua

Qualquer que seja o nível de governo ou mesmo privado que nos apresente arte em plenas ruas de Montreal, fica a noção que mesmo de forma simples podem ir distraindo os olhos do passante. A pessoa tem sempre arte para ir vendo na baixa, o que origina momentos mais agradáveis como este em frente de uma secção da Universidade McGill.

sábado, 15 de abril de 2017

Páscoa

Votos de Páscoa Feliz.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Pica pau e os esquilos

A floresta urbana de Montreal e os seus jardins originam uma variedade de animais muito elevada na cidade e no caso de aves é um facto que não se pode ignorar.
Hoje apresento o pica-pau de bico curto que logo de manhã cedo começa o seu trabalho incançável não deixando dormir as pessoas. No verão tornam-se incomodativos pois ter na nossa árvore quatro pica-paus às cinco da manhã, é uma orquesta que não se pode evitar.

Algumas fotos de pica-paus de bico curto numa árvore mais que centenária.
Uma pequena linha vermelha no lado de trás da cabeça, dá-lhe um toque de beleza muito especial.
Trabalhor incansável não permite aos esquilos de fazerem a soneca matinal. Começa logo de manhã a bicar nas paredes da toca dos esquilos.
E começa o vai e vem: saída e entrada dos esquilos na toca.
Como o inverno é muito rigoroso, é proibido dar comida aos animais durante todo o ano para que nunca percam o instinto de procurarem a comida.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Panorâmica

Escultura em aço pintado e serigrafado, granito.
Um trabalho pertencente ao Museu de Lachine que se situa na rota da pista panorâmica de ciclismo que acompanha o rio Saint-Laurent, em frente ao lago Saint-Louis.
O artista convida os passantes a sentarem-se face às três colunas e através dos espaços entre elas poderem ver a mutação entre a água do rio evaporando-se e o céu formando nuvens. Ao olhar-se ao mesmo tempo as colunas, é como uma paragem de todo o processo que se desenrola naturalmente aos nossos olhos.
Pelo uso do "tapete" em frente do banco, vê-se que o local é apreciado.

sábado, 8 de abril de 2017

A mercearia do medo

A Mercearia do Medo que está sempre fechada, é uma das obras de arte do conhecidíssimo artista Zilon com mais de trinta anos de pintura de rua. Tendo sido uma obra que originou uma longa discussão sobre o seu conteúdo, é hoje coniderada de um valor extraordinário e por isso o edifício tem sido mantido só para exposição deste trabalho.
Os turistas desta arte não podem passar em Montreal sem a vesitarem.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

terça-feira, 4 de abril de 2017

Bairrismo

Bairro de Saint-Pierre.
Este bairro de mais de cinco mil habitantes, já foi uma cidadezinha cercada por Montreal até há dezassete anos. Hoje, fazendo parte de Montreal, não nos deixam passar sem nos lembrarem aonde estamos.

sábado, 1 de abril de 2017

Jardim da estação Du Parc

Situado no cimo da avenida do mesmo nome e em frente da estação do metro, mais parece uma mosaícultura.

quinta-feira, 30 de março de 2017

A Marmota e a crença popular

A fauna citadina de Montreal é bastante variada, sendo a marmota da América do Norte um desses animais. Maior do que o esquilo, tem geralmente a cor do pêlo mais acastanhada. É um mamífero herbívoro que hiberna, difícil de se ver e de fotografar pois esconde-se sempre que pressente o mínimo perigo. É um dos poucos animais que já há muito tempo tem um dia que lhe é dedicado na América do Norte: o dia dois de fevereiro de cada ano que foi instituído em 1887.
Nesse dia as pessoas tentam ver a saída da toca de uma marmota mas se ela sai e não vê a sua sombra porque o tempo está enevoado, o inverno está prestes a acabar.
Ao contrário, se o dia está radioso ela vê a sua sombra, fica com receio e foge para dentro da toca. É sinal que o inverno ainda durará mais seis semanas.
As duas marmotas oficiais canadianas previram para este ano uma boa primavera confirmado pelos ursos do Ecomuseu de Sainte-Anne-de-Bellevue que terminaram a hibernação na quinta-feira passada. Os ursos últimamente têm sido mais fiáveis do que as marmotas. A marmota americana viu a sua sombra e escondeu-se na toca. Lá vão ter um inverno mais longo.

domingo, 26 de março de 2017

Porta de garagem

Um trabalho que me faz pensar a Labroma.

sexta-feira, 24 de março de 2017

O anfíbio cá do sítio

Visto de trazeira.
Visto de lado, já tem outra aparência.
No meio da água, até vence a corrente mais forte.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Um dó li tó

Era de mi nó...
Depois do outro lado da rua limpo, ficaram todos aconcegadinhos.
Foto: Lucinda

quarta-feira, 8 de março de 2017

domingo, 5 de março de 2017

A alegria da juventude

Quando os vidros estão cheios de geada, as ruas são intransitáveis e a juventude aproveita para praticar patinagem no gelo em certas ruas e passeios.

sexta-feira, 3 de março de 2017

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Artesanato autoctone

Num dos Festivais da Presença Autoctone, fiquei admirado com o trabalho que era preciso para conseguirem autênticos cestinhos de palha mas que na realidade são de freixo preto que mais parece branco.
Aonde tudo começa.
Primeiramente batem o tronco para que a casca fique solta
e assim poderem separá-la com as mãos.
Como há uma parte que ainda se não desprendeu, voltam a bater e logo que possível retiram várias fiadas

que depois separam várias vezes até ficarem com uma lâmina fina como a palha.
O produto obtido é depois trabalhado por mãos hábeis.
Antes de partir é bom que nos aqueçamos para o caminho.