sábado, 7 de janeiro de 2017

Evolução

O Festival mural de arte pública em Montreal tem por vezes trazido uma certa evolução no que podemos ver numa sá parede.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

domingo, 1 de janeiro de 2017

sábado, 31 de dezembro de 2016

Novo Ano

O AAAqui deseja a todos os seus leitores um Ano Novo de 2017 pleno de Amor, Felicidade, Paz e muita Saúde.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Contrastes

O mesmo local visto de verão e de inverno inverno e que já foi falado no terceiro parágrafo da publicação de 22 de fevereiro de 2016, que para ver basta clicar aqui: Quando a escola sai à rua.

A arena de hóquei no inverno.
É um um excelente campo de futebol no verão.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

sábado, 24 de dezembro de 2016

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Boas Festas

O AAAqui deseja a todos os seus leitores um Bom Natal e um Novo Ano de 2017 pleno de Amor, Felicidade e Paz.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Natal

A dinâmica comercial é muito grande. Ainda o Halloween não tinha acabado que já havia lojas e centros comerciais plenos de produtos e decorações para o Natal.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Uma voltinha de Outono

Há dias fomos até à Montanha para ver as côres das árvores
Foto: Lucinda Silva/Telemóvel

e resolvemos ir até ao Lago dos Castores, pelo que passámos em frente do Chalé que é muito visitado durante todo o ano.
Visto do outro lado do lago, é uma maravilha.
Assim como o lago em si.
Sem dúvidas que a água tinha que vir de algum lado.
Depois de uns momentos bem passados sem termos saído da cidade, voltámos a casa.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Arte pública no Velho Porto

A cãmara de Montreal procura evitar-nos o stress dando-nos a ver obras de arte aonde quer que vamos, sem termos que visitar museus. Está muito baseada na ideia de o museu saír para a rua, juntar-se ou fazer parte da vida das pessoas. Assim, ao visitar o Velho Porto deparei-me com diferentes tipos de arte da mais variada. Aqui ficam um estilo de esculturas em bronze aí existentes.
Uma âncora encontrada no próprio porto.

domingo, 6 de novembro de 2016

Cavalinhos

Um excelente mural dos artistas do colectivo A’Shop.

sábado, 5 de novembro de 2016

Presença autoctone

Foram uns momentos muito bem passados  neste Festival da Presença Autoctone.
Logo ao aporximar-me despertou-me a atenção a música que se ouvia ainda há distância cadenciada pelo bater dos sapatos no palco e respectivos sinos que acompanhavam a cadência.
Chegado em frente do palco assisti a uma dança executada só por homens
seguida de uma só para mulheres pelo que derivado ao seu significado, convidaram europeias a dançarem com elas.
As côres usadas pelos índios sobressaíam logo aos nossos olhos e os sinos que os homens tinham nas calças junto aos pés
assim como as mulheres nas saias, impulsionados pelos movimentos cadenciados do bater com os pés, originavam um acompanhamento que se não existisse fazia falta.
Uma vista geral da Praça dos Espectáculos que nos mostrava estarmos em presença de uma festividade autoctone.
Não faltando a referência aos veados, um dos animais muito estimados no Canada.
A venda de artesanato estava presente com a exposição ao lado da tenda.
Uma amostra de tendas típicas, especialmente a primeira e a última em cima ao fundo que funcionava como dormitório em certas tribos e também como armazém para guardar alimentos.
Na primeira pode-se ver a típica abertura em cima para a saída dos fumos. Como o inverno era rigoroso, tinham que acender o lume no interior para cozinharem e aquecerem-se, originando muito fumo. Assim inventaram a abertura superior da tenda de forma amovível que deixa passar mais ou menos fumo de acordo com a sua abertura. Foi uma peça nesse género que os primeiros navegadorres compiaram e utilizaram na Europa nos fogões de sala a lenha até aos nossos dias.
Vai uma salsichazinha...
Outra vista geral do local.
A alegria das crianças.
Olhando no sentido oposto.
Trabalhando a madeira para fins artesanais que apresentarei noutra postagem.
Nem a presença de mirones tira a concentração destes escultores em pedra. Neste caso esculpia o "urso que dança".
Com duas posições diferentes, o urso até nos dá a noção de movimento parecendo que está a dançar.
Outro artista esculpindo uma foca.
Artesanato em algodão.
Flautas trabalhadas à mão sobre um expositor muito original.